Skip to content
abril 17, 2011 / Pudú Mágico

Las canciones que cambiaron al mundo – Mensajes Subliminales desde Concepción


Crédito de la Ilustración: Algún post en Porlapauta de LUN

Disculparán los lectores, pero las fuerzas demoniacas que la música de Rodrigo Eitel escondía me hicieron trasmutar mi sistema de valores y tener un pensamiento cercano al de Paty Maldonado. Pero, detalles aparte, por las grandes expectativas ante el segundo post, desde ya puedo anunciarles que será decepcionante y que quizás hubiese sido mejor que se haya perdido en las inmensidades del twitter, donde nadie te lee por que están todos pendientes de lo que diga Pipín, o en un tumblr, donde serás reblogueado adivina ya dónde. Sin mayor preámbulo, en esta ocasión, venimos a revisar, casec mediante, lo que oculta cierta canción de don Francisco Álvaro Henríquez Pettinelli.
Si examinamos invertida esta canción hallaremos algo bastante extraño:

Tal como en las canciones de Xuxa encontrábamos el padre nuestro, o el alfarero, o todos esos cantos de iglesia, en Álvaro Henríquez vemos un manifiesto del korte.

Esto es lo primero. Señala repetidamente “Quéeee Pasaaaa!” Lo cual puede ser transcrito en flaite como kepasssaah. Es la desafiante introducción, que será la declaración de las intenciones en la canción:

Sí, usted lo escuchó. TODOS LOS FLAITES UNANSEN.

Es así como esta canción está pasando vía bluetooth sigilosamente. Es la única canción que escuchan con audífonos. Estamos perdidos. Cualquier día de estos podría ocurrir la temida conflagración que estamos esperando.

Pero ¿Quién ha urdido este oscuro plan?


Hagamoh un asao? Pero hagamoslo al tiro

Desde que Álvaro Henríquez se pasó al lado Roberto Parra de la fuerza, éste, antes de morir, le dijo “busca a los choros, ellos te darán fuerza después de la caña”. Por ese entonces, cuando Álvaro tenía severos problemas por sus fiestas regadas y descontroladas, donde corría la Yupi Cola a riachuelos por el piso, tenía siempre el problema de que no podía soportar su entonces cabeza en vías de desarrollo Franciscana. Es así que Henríquez se decide a buscar a los Choros, creyendo que se trataba de aquellos violentos y míticos seres, que, cuales Atlas, eran capaces de sostener el cadáver de sus contendores sobre sus hombros, guatones de 130 kilos de peso, para llevarlos a un barranco y lanzarlos para que nunca más se sepa de ellos. Como no halló a ninguno, un viejo vendedor de diarios le hizo notar que hoy el Choro del Puerto ha sido sustituido por el cosmopolita y apenas hispanoparlante flaite: un ser algo amanerado, que cuenta entre sus poderes el de teletransportarse. Por eso que Henríquez supo de inmediato que lo que su maestro quiso decirle fue que, para lograr no tener resaca, debía organizar una conflagración mundial con un ejercito de flaites controlados telepáticamente vía programación neurolinguistica, y jamás que se fuera a tomar un mariscal bien cargado al Mercado o que brindara los placeres prohibidos a alguna bellaca.

El 2012 se acerca, junten agua, todo calza, venid y vamos todos con Flores a María.

40 comentarios

Dejar un comentario
  1. seba / Abr 17 2011 2:42 pm

    FFFFUUUUU

  2. dada / Abr 17 2011 2:44 pm

    fome xdd

  3. Franco / Abr 17 2011 2:45 pm

    que fome

  4. halcon rojo / Abr 17 2011 2:46 pm

    PRImero otra ves ?
    ñee no creo

    • constonta / Abr 18 2011 11:07 am

      Batman peredo quiere transformar esto en brontobeats >:/

      • constonta / Abr 18 2011 11:08 am

        Ná que ver poner acá el comentario, bueno, es la nueva moda.

      • Batman Peredo / Abr 18 2011 12:14 pm

        Y yo no lo sabía (8

    • Batman Peredo / Abr 18 2011 12:19 pm

      @Cons: Eso es parte de mi estrategia para llegar al bosón de Higgs realizando choques conceptuales entre el mundo .com y el .org, dada la explosión de la burbuja .tk. Pero quedate piola.

      • constonta / Abr 18 2011 7:53 pm

        aweno

  5. Corrosivo!!! / Abr 17 2011 2:52 pm

    XD La mente wn …

  6. Mr T. Avenger / Abr 17 2011 2:58 pm

    Una mierda….

    Entre lo shúper que están, y estos posts de mierda, cada vez dan menos ganas de meterse a gozar la página (como lo hacía antaño)

  7. Maclaud / Abr 17 2011 3:00 pm

    La cagá fome, pero me gusta su redacción weones.

  8. felipecsm / Abr 17 2011 3:04 pm

    fome la wea, pero amo su redaccion, deberian asesorar a pepe auth

  9. Carlos F / Abr 17 2011 3:18 pm

    Muy fome la wea muy decadente la kagaron esta semana de mal en peor y no se ve repunte mal mal mal

  10. ru f fo / Abr 17 2011 3:48 pm

    que fome la wea weon
    pero que pooooooooooooooooooobre

  11. Fran / Abr 17 2011 3:53 pm

    JAJAJAJAJAJAJA yo me cagué de la risa con TODOS LOS FLAITES UNANSEN.

    La raja. Me gusta como escribe este cabro. 10 jumbitos para él (Y)

    Saludos!

  12. romano / Abr 17 2011 4:05 pm

    ya no me da miedo pinchar los links… asi de mal va la wea

    • Batman Peredo / Abr 17 2011 4:13 pm

      Pues debieras temer a algunos enlaces como este

      • Lesviano / Abr 18 2011 10:56 am

        Mori Ctm!!!!

        kjakjajkakjajkakj

      • t3b4n / Abr 18 2011 12:38 pm

        Chrome tiene la opcion “evitar que esta pagina cree cuadros de dialogo adicionales” =)

      • Batman Peredo / Abr 18 2011 1:05 pm

        Sí, soy un estúpido usuario de Fayerfocs.

  13. Ano violento / Abr 17 2011 5:13 pm

    el chancho culiao de Los Tres es igual a Matias Rivera.

    Cachen esta pagina: http://www.google.cl

  14. muku / Abr 17 2011 5:55 pm

    ZZZZZZZZZZZZzzzzzz

  15. chupalameandogilculeao / Abr 17 2011 8:13 pm

    No se si el editor Batman Peredo es mas fome que Motozorra. No lo se.

    • chupalameandogilculeao / Abr 17 2011 8:14 pm

      Me da paja leer tu huea fome culiao!

      • Batman Peredo / Abr 17 2011 8:48 pm

        Pucha, le puse monitos, audios, me conseguí servidor para alojarlo, le puse videíto, poco texto, pucha mijo, a la próxima le sirvo unas galletitas, pero no se me enoje, ya?

  16. LOSERSHUPER / Abr 17 2011 9:46 pm

    Cada vez están mas shuper, me imagino q ahora usan esos lentes negros de marco grueso, se dejan el bigote, camisa a cuadros y el pseudomoicano.

  17. PabloOne / Abr 17 2011 10:37 pm

    Salfate mode ON!!

  18. cristianajo / Abr 18 2011 12:51 am

    ahh claro…si lei la introducción que decía que el post era decepcionante y pensé…jajajaja…la autochaqueteria clásica de loserpower…pero no.
    Una mierda.

  19. chapa_soviette / Abr 18 2011 1:51 am

    fomeque

    fomeque

    fomeque

    fomeque

    y fomeque.

  20. Dr. Tsubaza, musculoso y sexy / Abr 18 2011 7:48 am

    la wea fome conchadetumadre, puta desde que entraron estos culiaos de editores como batman peredo, fergusano, matias rivera etc lumpenflowers se fue a la chucha, como chucha cree este conchadetumadre de batman peredo que esta wea es graciosa, es tonto este culiao o alguna wea? por la chucha pidanles la renuncia a estos weones pa q lp sea lo era antes…gracias

    -carita contenta-

    • Batman Peredo / Abr 18 2011 12:17 pm

      Pucha, disculpe caballero, mi próximo post será de Gore y adiós el tufillo a BrontoBeats. Además que los casecs ya son reliquia y estoy seguro que en veinte años lo podré vender muy caros a los museos, esto de estar invirtiendo cintas me está dejando un severo lucro cesante

      • Dr. Tsubaza, musculoso y sexy / Abr 18 2011 1:42 pm

        no me interesa

      • triplecirijillo (xikviolenta quien eres y como me reconociste el otro día?) / Abr 18 2011 4:19 pm

        Tsubaza es sabio.

        Hablar de música es para gordos afeminados y mujeres amachadas sin tema de conversación que ven en ella una oportunidad para socializar y conversar con otros gordos afeminados y mujeres amachadas sin tema de conversación.

      • Tengo twitter pinchen mi nombrecirijillo

  21. Cocteau Gainsbourg / Abr 18 2011 9:02 am

    Todo el mundo sabe que el rock, el cine, el teatro, la danza, la pintura y la fotografía chilena tiene mensajes subliminales ¿sino como chucha se explica tanta weá mala? ¿ah? Todo es por algo. Piensen.
    ¿O acaso ustedes creen que esos tipos ejercen profesiones artisticas pq son talentosos? Mentira weon! les vendieron el alma al demonio cual Paganini. la diferencia es que estos giles en vez de pedir aptitudes artisticas o vistuosimo, pidieron la fama y la fortuna al toque.

  22. LAPULENTAHERMANO / Abr 18 2011 3:26 pm
    FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME FOME https://polldaddy.com/js/rating/rating.js
    • Somela.- / Abr 18 2011 7:16 pm

      Fome!

    • Batman Peredo / Abr 18 2011 8:00 pm

      No amigo, esta canción no es del Disco “Fome”, es del disco “Pettinellis”.

  23. Abrileño / Abr 23 2011 2:36 pm

    esta wea de pagina murio hdp.
    besitos

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s

A %d blogueros les gusta esto: